Madrasta de Bernardo Boldrini, Graciele Ugulini diz em interrogatório que morte do menino 'foi um acidente, uma sucessão de erros'

  |   Brazil News

Graciele Ugulini, madrasta do menino Bernardo Boldrini, morto em 2014, aos 11 anos, disse em interrogatório durante o julgamento popular hoje, em Três Passos (RS), que a criança tomou remédios que estavam em sua bolsa, dentro do carro, durante uma viagem, após ela já ter dado medicação a ele, para se acalmar. De acordo com ela, "foi um acidente, uma sucessão de erros."

A madrasta foi interrogada pela manhã, no quarto dia de júri. Ela foi acusada por homicídio quadruplamente qualificado. Ontem, Leandro Boldrini, pai de Bernardo, afirmou que não mandou matar o filho. Ele afirmou que a criança foi morta pela madrasta, Graciele Ugulini, e pela amiga dela, Edelvânia Wirganovicz.

Graciele argumentou: "Eu preciso que as pessoas entendam que isso tudo foi um acidente, um estúpido de um acidente. Foi uma sucessão de erros, eu admito. Eu errei do começo ao fim. Eu errei, eu fiz tudo errado. Mas tudo que aconteceu não foi por querer".

Bernardo Boldrini foi morto em 2014, após ingerir uma superdosagem do medicamento Midazolam. O corpo foi encontrado 10 dias depois, envolto em um saco plástico, em uma cova improvisada, em Frederico Westphalen (RS).

Leia a matéria completa: http://v.duta.us/BJ_vNwAA

Foto: Reprodução/TJ-RS.

📲 Get Brasil News on Whatsapp 💬